Feng Shui

O Feng Shui é uma arte de vida milenar com origem na região da China e do Tibete. Com base nos registos e instrumentos mais antigos já encontrados com referência a esta arte e à sua aplicação, crê-se que tenha já cerca de seis a sete mil anos de existência.

Feng Shui significa literalmente Vento e Água, dois elementos sempre presentes na Natureza, sempre em movimento, por vezes correndo de forma mais forte, outras vezes mais suave. Cada brisa ou rajada que nos toca a face é sempre vento, mas é sempre uma porção diferente de ar em movimento. Cada gota de chuva, ou cada onda da praia, ou cada borda de rio, é sempre água, mas é sempre uma porção diferente de água em movimento. Ou seja, o Vento e a Água estão sempre presentes na nossa vida, mas são sempre aspetos diferentes de Vento e de Água que vamos encontrando ao longo do tempo.

A arte de Feng Shui foi mantida em segredo durante muitos e muitos séculos. Era apenas conhecida por alguns eruditos das áreas da arquitetura e engenharia, da astronomia e cosmologia, da geografia e topografia, da medicina e botânica. Os saberes de Feng Shui foram usados para construir e decorar palácios, casas senhoriais e até cidades na China, e ainda para prever o futuro e para cuidar da saúde presente e futura dos imperadores chineses e da sua corte.

Ao contrário do que se crê nos nossos dias, o Feng Shui não tem só a ver com a decoração de interiores. Esta arte observa, analisa e corrige os fluxos de energia que ocorrem entre todos os elementos de um espaço, interior ou exterior, ao longo do tempo, sejam esses elementos do reino mineral, vegetal ou animal, incluindo o ser humano. É da interação de todos estes elementos que nasce o Chi ou Ki de um determinado espaço, ou seja, a assinatura ou qualidade energética de um espaço é o resultado da soma e da interação das energias nele contidas, as quais vão mudando ao longo do tempo à medida que alteramos os objetos, as plantas, os animais e as pessoas que habitam esse espaço.

O objetivo da aplicação do Feng Shui ao espaço e ao tempo é o de adequar a vida ao seu meio ambiente, nomeadamente, adequar a vida humana ao meio em que se insere. Assim, o Feng Shui vai ajudar-nos a observar e interpretar os sinais da Vida de forma a percorrermos o nosso caminho pela via de menor resistência.

Significa que, através do Feng Shui, podemos perceber aquilo que é Natureza em fluxo (em nós, nos outros e no mundo físico) e identificar o que é bloqueio ou desgaste.

Significa que podemos olhar para a nossa casa (que é o nosso segundo corpo) e perceber as mensagens que ela nos traz sobre a nossa vida. A casa espelha a nossa vibração, pelo que vai refletir o padrão de vibração dos seus líderes, e vai conseguir mostrar-nos em que áreas da Vida estamos mais desequilibrados ou a criar maior resistência.

Significa que podemos olhar para o nosso local de trabalho, a nossa empresa, e perceber onde os fluxos de energia estão estagnados ou são demasiado rápidos e desgastantes. Porque também a empresa reflete a energia dos seus líderes e colaboradores.

E depois de lermos toda esta informação, vamos poder curar os bloqueios, os desequilíbrios, vamos conseguir acalmar os fluxos de desgaste e energizar os fluxos estagnados.

Sim, claro!

Os princípios do Feng Shui mantêm-se atuais nos nossos dias porque continuamos a viver no mesmo planeta, sujeitos à mesma força de gravidade, girando em torno do mesmo Sol, com ritmos de dia e de noite que continuam a ter a mesma duração. Os fluxos de energia e de sinergia na base do funcionamento da Natureza continuam a ser os mesmos.

Na verdade, se pensarmos bem, os nossos próprios corpos são o produto de uma evolução genética de milhares de anos. Somos o resultado da evolução dos melhores e dos mais fortes da nossa espécie e a informação gerada ao longo de todo este tempo continua armazenada nos nossos cérebros e nas nossas células.

A nossa medicina e ciência modernas são extremamente importantes para tratar questões físicas e prolongar anos de vida. No entanto, centram-se maioritariamente nos sintomas e não nas causas: tirar a dor, baixar a febre, trocar o órgão danificado, retirar massas malignas. Apesar de estas ações serem essenciais para nos aliviarem o sofrimento físico e prolongarem a vida, não se devem descurar as causas subjacentes, que nem sempre são abordadas, pelo que muitos sintomas regressam passado algum tempo.

A ciência ensina-nos que as verdades sobre a Vida se descobrem quando conseguimos repetir a mesma experiência sob as mesmas condições, obtendo sempre o mesmo resultado. No entanto, como sabemos, na Vida nunca conseguimos repetir exatamente as mesmas condições, o mesmo contexto, apenas podemos aproximar situações semelhantes.

O Feng Shui surgiu como resultado da observação de padrões e de ciclos de Vida, que pareciam repetir-se na Natureza (incluindo na Vida Humana) em contextos semelhantes. As noções de Yin e Yang, das 5 transformações, das 8 direções e a aplicação destes princípios ao espaço físico, ao corpo físico e à vida quotidiana são o resultado dessas observações.

Observar e interpretar a Vida significa reativarmos a nossa ligação com a Natureza e percebermos como o mundo à nossa volta nos dá sinais acerca do nosso alinhamento ou desalinhamento com a qualidade da energia que trazemos a esta experiência de Vida.

Significa estarmos atentos às “coincidências”, aos “contratempos”, aos “sucessos” e “insucessos”, e (re)interpretá-los à luz da visão de conjunto do puzzle dinâmico em que estamos inseridos nesta Vida.

A via de menor resistência é o caminho de Vida que nos permite atingir o nosso maior potencial enfrentando desafios/obstáculos menores e em menor número, e sentindo-nos mais inteiros ao longo do percurso.

Este caminho faz-se através da estratégia de Vibrar Genuíno: sermos Verdadeiros connosco próprios em primeiro lugar, sermos Verdadeiros com os outros em seguida. Não significa entrar em conflito connosco, nem com os outros. Significa aceitarmos a nossa natureza, ouvirmos a nossa intuição (não o nosso ego) e agirmos em conformidade com ela.

Como bons ocidentais que somos, procuramos respostas práticas e soluções objetivas para aquilo que consideramos serem os nossos problemas.

Sim, o Feng Shui permite-nos essas respostas práticas. Existem inúmeras estratégias objetivas para responder a situações de estagnação ou de desgaste dos fluxos de energia, seja num espaço físico ou nas nossas relações pessoais e profissionais.

Estes conceitos são difíceis de definir de forma objetiva como nós, os ocidentais, tanto gostamos. Resumidamente, Yin e Yang representam a dualidade do nosso mundo, um dos mais antigos argumentos da Filosofia. Um só existe em comparação e em associação com o outro. São opostos e complementares ao mesmo tempo.

As caraterísticas Yin-Yang da Vida podem ser retratadas como pares duais de qualidades de ser e de estar: sombra-luz, frágil-forte, lento-rápido, frio-calor, feminino-masculino, moldável-firme, poente-nascente, adormecer-acordar, norte-sul, dispersão-concentração, horizontal-vertical, lua-sol, e muitos outros.

O conhecido símbolo Yin Yang mostra-nos que estes conceitos vivem em interdependência um com o outro e que se podem transformar um no outro num ciclo eterno de energia em movimento.

A Vida precisa da interação e do jogo de equilíbrio entre Yin e Yang, para garantir os fluxos de energia que mantêm a Natureza viva. É precisamente nas características duais dos elementos da Vida que alicerçamos os nossos ritmos, os nossos propósitos, o nosso caminho de Vida:

• Precisamos de dormir e descansar para garantirmos que o nosso corpo tem a energia necessária para abraçar as atividades do dia seguinte (se não dormirmos perdemos capacidades físicas e intelectuais);
• A natureza precisa dos ciclos das estações mais frias seguidas das mais quentes para garantir que o ciclo de vida de plantas e animais ocorra de forma equilibrada (se apenas houver estações frias ou quentes muitas plantas e animais acabam por sucumbir);
• Quando há um incêndio numa floresta, o fogo queima toda a matéria combustível e a natureza demora vários anos a conseguir repovoar aquela área (um episódio de fogo forte provoca um período de tempo prolongado de reconstituição do ecossistema passo a passo);
• Para erguermos as paredes das nossas casas precisamos de uma base onde elas se possam apoiar, e para termos um telhado sobre a casa precisamos de ter as paredes erguidas e seguras (na construção temos sempre uma sucessão de placas horizontais e pilares verticais colocados uns sobre os outros tantas vezes quanto o número de pisos pretendido).

Assim, podemos ver que os conceitos Yin e Yang estão sempre presentes e interligados na nossa vida, convivemos com eles no dia-a-dia ainda que não lhes prestemos muita atenção.

As 5 transformações são os arquétipos de Água, Árvore, Fogo, Terra e Metal, cada um simbolizando um tipo de energia específico, que se relacionam entre si em ciclos e circuitos de suporte, de controlo ou de desgaste.

As relações entre estes cinco arquétipos são uma das formas de diagnóstico e de tratamento, não só em Feng Shui como também na Medicina Tradicional Chinesa e nas suas várias disciplinas (Acupuntura, Moxabustão, Reflexologia, Auriculoterapia, …) Os excessos ou défices de um dos tipos de energia originam desequilíbrios em todo o sistema, com sinais que podemos ler no corpo, na casa, no trabalho e nas relações.

Baseando-nos nas interações entre estes arquétipos, ou tipos de energia, conseguimos obter a leitura dos sinais do espaço físico, do corpo ou das relações e aplicamos as estratégias de cura do Feng Shui.

As 8 direções são uma espécie de rosa dos ventos com os quatro pontos cardeais principais e os seus intermédios. Acrescentando o centro no meio dessa rosa dos ventos, temos 9 zonas ou casas, e com elas formamos o Baguá, que também pode ser apresentado sob a forma de um quadrado mágico.

Este quadrado mágico permite-nos ler as mensagens nos espaços físicos (casa ou empresa), e também os mapas natais de qualquer indivíduo com base na sua data de nascimento, assim como os seus trânsitos ao longo da vida.

Chama-se quadrado mágico a esta rosa dos ventos à semelhança do que acontece na matemática, pois as 9 casas somam sempre a mesma quantidade em qualquer direção (horizontal, vertical, diagonal), representando assim o equilíbrio no espaço e na Vida.

Uma consulta de Feng Shui pode ser individual ou em grupo (casais, famílias, equipas de trabalho), e pode abordar os temas relacionados com o espaço físico (seja uma habitação, um espaço comercial, uma clínica, uma fábrica, ou outro negócio), mas também com o Ki das 9 estrelas e os mapas natais das pessoas que lideram esse espaço. A leitura será sempre mais rica e aprofundada quando inclui o espaço físico e as pessoas que nele vivem habitualmente.

Após a leitura, delineamos estratégias concretas de restabelecimento de fluxos estagnados e de reequilíbrio de fluxos de desgaste, que passam quer pela readaptação e limpeza do espaço físico (maior ou menor, consoante a especificidade da situação), quer pela readaptação de consciência das pessoas que nele vivem, através de novas estratégias de relações pessoais (relação consigo mesmo e relação com os outros).